Casal de idosos que se conheceram pelo Tinder: ‘Mandei um like e ele curtiu de volta’

Ela é uma aposentada de 73 anos, de Votorantim (SP) – viúva, mãe de três filhos, avó de cinco e bisavó de outros sete. Ele é um motorista particular de 77 anos, divorciado, tem uma filha e mora na praia.

Era mais ou menos desse jeito que Neusa Rodrigues Pereira e Vitório Willian Bassani se descreviam no Tinder, popular aplicativo de paquera – para todas as idades.

Neusa encontrou no aplicativo uma válvula de escape, uma maneira interessante de encontrar o amor, e de quebra, espantar a solidão. Ela havia se tornado viúva seis anos antes, e com o passar do tempo, sentia-se sozinha e carente, especialmente quando um dos filhos que morava com a idosa decidiu se mudar.

Com a ajuda da tecnologia – e da sua neta de 14 anos, sem precisar sair de casa, ela pensou, seria muito mais fácil encontrar uma nova cara-metade. “Já tinha ouvido falar nessas coisas e pedi para a minha neta ajudar, para encontrar um negócio de arrumar namorado. Minha colega já tinha comentado e daí na hora peguei o jeito”, lembra.

“No início, 42 homens curtiram minha foto, mas não me interessei por nenhum. Depois, conversei com um, e não deu certo. Aí vi a foto do Vitório e resolvi mandar um like. Ele curtiu, mandou mensagem e começamos a conversar.”

Vitório curtiu daqui, Neusa curtiu acolá e pronto: deram “match”, isto é, ambos os perfis se mostraram interessados e ‘combinaram’. Sobre o crush, a aposentada dispara: “Logo no começo sabia que ia dar casamento”.

No entanto, a união dos dois demorou um pouco pra acontecer. Eles conversaram por oito meses, diariamente, até o esperado primeiro encontro. “Nunca ficamos sem nos falar. Ele me ligava umas dez vezes por dia, contávamos um ao outro o que fizemos de almoço e janta”, relembra Neusa.

Clique na seta amarela abaixo, após a publicidade, para continuar lendo.

PRÓXIMA PÁGINA
1 / 2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *